Caros condôminos!

Caros condôminos, elaboramos este espaço para mantê-los informados de nossas atividades, trazendo aos Senhores (a) a transparência necessária em nossas rotinas diárias. Informamos que o site é exclusivamente para informações e não tem qualquer vinculo com grupos de redes sociais.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

"HATERS" UMA NOVA MODALIDADE BEM CONHECIDA

Por: Marcio Rachkorsky

"Haters" é uma expressão nova em nosso vocabulário e significa "os que odeiam", "odiadores" ou simplesmente uma pessoa que não está feliz com o êxito, a conquista ou a felicidade de outra pessoa e prefere atacar e criticar, expondo, maldizendo e fazendo o mau.

O ambiente dos "haters" é quase sempre virtual, pois atuam nas redes sociais, com inveja e covardia.

Nos condomínios, os "haters" atacam síndicos, conselheiros, moradores e funcionários. A ação quebra a harmonia, gera discórdia e afeta até a imagem do prédio (e a valorização das unidades), já que ninguém quer morar ou investir num lugar sabidamente tenso. Há casos de moradores que resolvem mudar de endereço de tão nefasto e aniquilador os ataques e as intrigas.

A comunicação efetiva da administração com os moradores é a forma mais eficiente de combater os "haters". Ela evita boatos e mantém os moradores cientes sobre obras, contas, problemas e ocorrências.

A criação de um canal oficial para críticas, ideias e sugestões, com respostas rápidas, técnicas e impessoais, também funciona.

Não raramente, no entanto, os "haters" cometem crimes de calúnia, injúria, difamação, ódio racial e homofobia, atingindo em cheio a honra e a moral de um vizinho.

Nesses casos, o caminho é colher as provas materiais e testemunhais e adotar as medidas judiciais cabíveis –não só na esfera civil, mas, sobretudo, na criminal.

Os "haters" podem sofrer ainda sanções administrativas, com advertências, notificações e multas. Nos casos mais graves, eles podem ser rotulados como moradores antissociais, sujeitos a multas de dez vezes o valor da quota condominial.


O papel do síndico é fundamental para manter a ordem, agindo como um pacificador social. Acompanhei o trabalho de um condomínio que contratou os serviços de uma psicóloga para analisar e atuar junto aos moradores mais exaltados.


A iniciativa resultou em uma palestra aos moradores sobre respeito, críticas construtivas e amizade. Ao síndico e à sua equipe, ficou a lição para que deem mais importância às críticas e aos anseios dos moradores. Todos saíram ganhando nessa, prevenindo e evitando litígio.


(*) Advogado, graduado pela PUC-SP, pós-graduado em direito contratual pelo CEUSP, especialista em condomínios, comentarista da Rádio CBN - Programa “Condomínio Legal”, membro da equipe “Chame o Síndico” do Fantástico da Rede Globo, autor do áudio-livro “Tudo Que Você Precisa Ouvir Sobre Condomínios” – Editora Saraiva, membro da Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB-SP; membro do Comitê Jurídico da AABIC (Associação das Administradoras de Bens, Imóveis e Condomínios de São Paulo), Presidente da Assosíndicos – Associação dos Síndicos do Estado de São Paulo, Coordenador do curso “Temas Jurídicos Aplicados aos Condomínios”,  da Escola Superior de Direito Constitucional;  colunista do jornal Carta Forense; colaborador e colunista do Jornal do Síndico; colunista da revista “Em Condomínios”; Colaborador do Caderno de Imóveis da Folha de São Paulo; colunista do “Guia Qual Imóvel”,  Palestrante e Conferencista. Fonte: Sindiconet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário